← Anterior Proximo →
 

Alex na galeria de Ídolos Eternos

Nascido em Curitiba, no dia 14 de setembro de 1977. É ex-futebolista brasileiro, que atuava como meia e um dos jogadores mais admirados pelos grandes clubes que passou. Alexsandro de Souza, mas conhecido como Alex, será nosso perfil de hoje!

Alex deu início a sua carreira nas categorias de base do Curitiba, se tornando jogador profissional em 1995 e onde ficou até o início de 1997, disputando 124 partidas e marcando 28 gols.

Em 1997, Alex transferiu-se para o Palmeiras, onde jogou até 2000. Lá obteve grande destaque e se tornou ídolo da torcida, pelo excelente desempenho em sua categoria e profissionalismo.

Esteve ao lado de grandes jogadores como: o lateral direito Arce, o volante César Sampaio, os atacantes Evair e Paulo Nunes, o goleiro Marcos e os zagueiros Roque Júnior e Cléber, com isso, conquistou a Copa MERCOSUL e a Copa do Brasil em 1998, a Libertadores da América em 1999, e o Torneio Rio-São Paulo de 2000. O craque disputou 141 jogos, marcou 78 gols e teve atuações memoráveis, como por exemplo, nas duas vezes em que o Palmeiras eliminou o Corinthians pelas Libertadores de 1999 e 2000, e na libertadores de 1999 ao eliminar o River Plate da Argentina, com dois gols de Placa.

No meio do ano de 2000, Alex teve uma rápida passagem pelo Flamengo, jogando 12 partidas e marcando 3 gols.

Em 2002 Alex retornou ao Palmeiras e fez um dos gols mais lindos de sua carreira, aplicando dois chapéus em defensores do São Paulo, o último deles no goleiro Rogério Ceni e fazendo um gol, definido pelo locutor José Silvério, como "de placa". Logo após, foi negociado para o Parma, da Itália, clube pelo qual disputou apenas 5 partidas e marcou 3 gols. No time italiano, Alex não conseguiu se firmar e retornou ao Cruzeiro em 2002, ficando até 2004. Neste período, jogou 121 partidas e marcou 64 gols.

Foi campeão Mineiro em 2003 e 2004, da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro de 2003.
Por suas belas atuações em campo, o craque se tornou ídolo da torcida cruzeirense. Após a conquista nacional, o "Talento Azul", como todos os chamava, saiu da equipe após o título do Campeonato Mineiro de 2004.

A partir de 2004, passou a jogar pelo Fenerbahçe, da Turquia, onde disputou 378 jogos e marcou 185 gols, com 162 assistências, tendo sido campeão nacional em 2005, 2007 e 2011.

Em 2012 foi peça fundamental na conquista da Copa da Turquia, título que o Fenerbahçe não ganhava há 30 anos. No jogo da final, contra o Bursaspor. Marcou 136 gols com a camisa de Fenerbahce pela Liga Turca.
Em 15 de setembro de 2012, foi inaugurada uma estátua em homenagem ao camisa 10, em frente ao estádio da equipe.

Alex foi recebido com festa pela torcida do Coritiba em São José dos Pinhais, região metropolitana da capital paranaense, lá Alex acertou por dois anos com o Coritiba, clube pelo qual torce e que o revelou para o futebol. E exatamente em 18 de Outubro foi oficialmente apresentado à torcida coxa-branca no Estádio Couto Pereira. Com muita festa e comemorações, mais de 10 mil torcedores compareceram para prestigiar o ídolo em plena tarde de quinta-feira.

Hoje, Alex integra o movimento Bom Senso F.C. e é comentarista de futebol do canal ESPN Brasil e do canal do Youtube Desimpedidos!

Alex se integra oficialmente a galeria de Ídolos Eternos, contribuindo com o Hospital do GRAACC, entidade que será beneficiada com a venda dos produtos autografados pelo atleta.

Confira agora uma breve entrevista exclusiva que fizemos com o craque da bola:

1 - Quem foi seu grande Ídolo no esporte? Por quê?
R: Eu amo esporte e tive vários ídolos! Willian, Mauricio e Ana Moser no vôlei; Marcel, Paula e Hortência no basquete; Vander e Morruga no futebol de salão, Guga no tênis; Ayrton Senna na F1; Zico no futebol. Todos eles me prendiam de alguma forma em frente à TV, fosse competindo ou mesmo dando entrevistas. Foram fantásticos no que fizeram.

2 - Qual a maior lembrança que você tem de um fã? (vale tatuagens, cartas, alguma curiosidade)
R: Uma torcedora turca uma vez mostrou o seio no qual estava meu rosto tatuado comemorando um gol. Foi uma cena no mínimo inusitada e bastante constrangedora. Rsrs.

3 - Qual a importância de participar do projeto ÍDOLOS ETERNOS?
R: Gostei muito da ideia de estar junto a outros nomes importantes do esporte brasileiro e de seguir interagindo com o público que me acompanha, mesmo após eu ter parado de jogar.

Comentarios
  •